A Última Carta que te Deixei

  • 3a-edicaoAdorei ler e agora sou uma fã. Quando sair o seu próximo livro, por favor avise-me, ok? Escreve muito bem e com muita informação histórica, o que achei lindo! Milu Rodrigues, 05/06/ 2016
  • A Última Carta que te Deixei de Vera Sousa é um livro que podemos considerar bastante rico devido à sua diversidade de temas, destacando-se a vivência dos diversos profissionais da Marinha, entre eles a vida de marinheiro ou faroleiro, permitindo-nos também entrar dentro do seu quotidiano laboral. É bastante curioso o facto de este livro sensibilizar para a história marítima portuguesa que desconhecemos, remetendo-nos para os navios naufragados ao longo da costa. Vera Sousa aborda de forma entusiasmante “o cemitério dos navios”, ao longo de Peniche junto às Ilhas das Berlengas, considerado o local onde naufragaram muitos barcos portugueses e estrangeiros em séculos anteriores, cada um condensando a sua história. Sempre num paralelismo entre a história de Portugal do século XIX e a dos nossos dias, o tema do mar é abordado nesta obra de forma peculiar: como uma paixão, como perigo, como separação entre dois mundos, a terra e o mar, que afasta o contacto humano e que, por vezes, prejudica as relações pessoais. O Mar é visto como uma metáfora, um símbolo, como água associada ao eterno retorno. O Farol é mais símbolo associado à luz que nos guia, ao sentido humano que lhe está inerente. Na vida, quando necessitamos de apoio ou aconselhamento é sempre necessária a luz transmitida por alguém para sempre nos ajudar. Ao longo da obra, este tema não é abordado de forma sequencial. É partindo dos desencontros entre as personagens principais que se procuram desde o inicio até ao fim da obra e que nunca se reencontram que o tema do mar é abordado. O filho, marinheiro, procura o pai faroleiro que saiu de casa sem deixar rasto. É precisamente nestes encontros que vamos conhecendo as diferentes experiências no mar e a importância deste na narrativa. Em viagens entre Lisboa, Marvão e Peniche, o tema do mar serve de pano de fundo para muitas conversas. Em suma, este é um livro simbólico que nos remete para a ideia de que “nem todos os que vagueiam (no mar ou na vida) andam perdidos”! 13/10/2015 – Para a Univ. Lusófona, MATD

 

  • “Devorei avidamente cada página, quase sem conseguir parar. Gostei muito. Parabéns e continue. Maria Amélia Santos 13/09/2013

 

  • Se gostei do “Onde o tempo nos levar” este livro está simplesmente maravilhoso! Este segundo livro amadureceu muito em relação ao primeiro e conseguiu cativar-me ainda mais com sua escrita sublime de sempre. A história conseguiu progredir e ficar mais fluída de uma maneira muito convincente. Este romance é, sem dúvida, uma fonte de aprendizagem. Mais uma vez o leitor se pega a imaginar situações onde aprendemos imenso com elas, como se estivessemos dentro da história. É uma coisa maravilhosa na vida de um leitor, encontrar livros bons a maneira e aprender com eles. As descrições do livro estão muito bem feitas, não deixa nada por ficar sem perceber e mais uma vez a leitura é fácil e rápida e os personagens são totalmente cativantes e sem cansar o leitor deixando uma grande carga dramática para o livro e um final maravilhoso. Adorei mesmo. Agora vamos ver se a autora publica outro romance para embarcarmos em mais um livro poético dela e o mais importante – sair com um grande conhecimento perante a vida e as suas fases. É sempre bom poder dar a conhecer às pessoas obras que valem a pena e que de alguma forma, façam parte das suas vidas.-  Lucas Costa – Porto  09/08/2013
  • Adorei o livro “A Última Carta que te Deixei”. Parabéns, Vera e que continues a escrever para nós, que tanto gostamos de ler os teus livros com os quais nos identificamos, nos ensinam e nos transmitem tantas emoções. Beijinhos. Ana Inácio 20/06/2013
  • Por favor! Leiam os livros desta grande escritora! E tentem divulgar! Estou quase a terminar “A Última Carta que te Deixei” e a seguir quero encomendar “Onde o Tempo nos Levar”. Adoro a sua forma de escrita. A forma como tudo é descrito é de uma sensibilidade indescritível. Ana Silva – Odivelas 24/05/2013
  • Que livro incrível! E eu que não gosto muito de ler, quem diria que me iria apaixonar por este livro! É um livro que nos transmite muito boa energia e que me ajudou a saber viver certas passagens de vida, em que por vezes desanimamos e pensamos que está tudo perdido. Não! Não está! Temos de encarar a vida de outra forma e pensar que há coisas piores. Temos de saber seguir em frente e este livro ajudou-me. Sinto que o li na altura certa da minha vida. Deste livro, retiro uma lição de vida e posso arriscar dizer que pode haver pessoas que tenham gostado  muito de o ler, mas mais do que eu, não! Fabuloso! Venha o terceiro livro! Raquel Barra, 26/04/2013
  •  Gostei muito dos seus dois livros. Quero dar-lhe os parabéns pela sua escrita. Acho fantástica! Eu que gosto muito de ler, tive um prazer imenso em ler os seus livros. Fico esperando com muito agrado o 3º livro. Madalena Patrício – 01/12/2012
  •  Acabei ontem de ler o seu livro “A Última Carta que te Deixei”. Confesso ter demorado mais tempo a “devorá-lo” do que o anterior, “Onde o Tempo nos Levar”. Este facto deve-se à escrita profunda, bela e extremamente humana que figura na sua obra. Li e reli, vezes sem conta, várias passagens, não por serem difíceis de compreender, mas sim pela pulcritude que encontrei nelas. É uma obra onde as palavras ganham “vida” e onde os sonhos ganham “significado”. Agora que a acabei de ler, só me resta expressar, mais uma vez, a admiração que sinto pela sua escrita e aguardar, esperançosamente, que nos delicie com mais uma obra, quiçá futuramente. André Morais – 11/08/2012
  • Parabéns Vera! Muito sucesso e muita luz para escreveres mais. Adorei! – Carla Castro 04/12/2012
  • Olá Vera, devo dizer-te que fiquei maravilhada com a tua forma de escrita…Gosto muito do uso de metáforas.. É também o que aprecio na escrita de Saramago. Não pares, continua a investir. Não ficas em nada atrás do último prémio Leya. Nem de Luís Peixoto e é já tão reconhecido… Também serás. Agora vou encomendar o outro teu livro à FNAC. Era melhor que as pessoas os solicitassem por aí aparecendo nos escaparates duma qualquer livraria. Faço questão de o ir encomendar. É uma forma de promoção. E mereces! ” A última carta que te deixei” é um livro que revela muito trabalho de pesquisa e mutos conhecimentos. É um livro com que se aprende; que descreve realidades fazendo uso de metáforas, resultando num livro de passagens poéticas, belo!… PARABÉNS bjo Amélia Miguel 22/06/2012
  • Adorei!  É linda a história! Quando comecei a ler este livro parei no capitulo v, porque não tinha tido tempo nem paciência nessa altura para o ler. Mas eu ontem recomecei-o e não fui capaz de parar. Tive de o ler todo ontem e gostei tanto que até as lágrimas me vieram aos olhos. RECOMENDO ESTE LIVRO. Não sou apreciadora de leitura e há muitos anos que não lia um livro, mas este prendeu-me com a sua história. Carla Freitas 05/06/2012
  • Que maravilha! Adorei ler este livro e digo a todas as pessoas que leiam, vão adorar de certeza porque é um livro espetacular. obrigado Vera por me proporcionar tao belos momentos de leitura.O SEU TALENTO é ENORME. 03/05/2012 – Ilda Carvalho
  • Parabéns Vera, adorei o livro ” A Última Carta Que Te Deixei”. Conhecendo Marvão, Sintra,Peniche, Berlengas, Cabeço de Vide, foi fácil visualizar tudo o que ía lendo, foi como se tivesse sido eu a estar ali em todos aqueles lugares. A morte do Vicente tocou-me particularmente assim como a carta que ele deixou ao Daniel. Agora quero ler ” Onde o Tempo nos Levar”. Adorei, beijinhos! 16/03/2012 Vanda Valério
  •  Li em duas tardes, e gostei imenso! Quando se começa a ler não dá vontade de parar… e no fim fica a saber a pouco… Parabéns pelo excelente trabalho – Ana Barreto 26/01/2012
  •  Olá Vera, ontem à noite acabei de ler “A ultima carta”. Se gostei do “Onde o tempo nos levar” este simplesmente achei fantástico! Toda a escrita está mais evoluída, mais cativante tal como a história. Mais uma vez, me fez viajar. Tenho casa em Peniche, conheci o pai da minha cunhada que foi faroleiro na Berlenga e vi nos anos 80/90 o desenterrar dos corpos e trazer a superfície restos do S. Pedro de Alcântara, toda uma imagem que revivi. Adorei simplesmente. Continua! Não deixes de escrever! Fico aos saltinhos à espera de novos livros teus. Ganhaste uma fã! Beijinhos e Parabéns, Vera. Venceste. – Maria L. Damião 30/12/2011
  •  Olá Vera. Espero que esteja tudo bem e que o teu segundo livro “A ultima carta que te deixei” esteja a ter o sucesso que desejaste. Passei aqui só para dizer que já acabei de o ler e concordo com todos aqueles que dizem que este está realmente melhor que o anterior…mais fluido e agradável… Na minha opinião, tem um pouco de História a mais, mas isso tem a ver com o meu gosto pessoal. Gostei muito de alguns pormenores… A minha opinião não é muito relevante porque não sou muito entendida na matéria mas como leitora gostei de o ler. Desejo-te muita sorte como escritora e não desistas! E já agora um bom ano! Beijinhos! Raquel Capa– 30/12/2011
  • Olá Vera Sousa, Onde o Tempo Nos Levar e A Última Carta que te Deixei, são livros que fazem parte da vida de qualquer leitor. Eu especialmente que exerço uma profissão com a qual me identifico nos livros referidos, sinto que o estado actual do país precisa que a Vera Sousa continue a escrever para que o vulcão cinzento da tristeza não contamine as nossa vidas. O trabalho organizado e simples que nos habituou, liberta-nos desta onda que contagia o país. Ao lermos a sua obra é seguro que renovamos ideias e produzimos mais. Força Vera Sousa, venha o 3º livro, de tanto reler os anteriores temos falta do seguinte. Sucesso Parabéns. – Nogueira da Silva (Esposende- 10/12/2011)
  •  Este romance é, sem dúvida, uma fonte de aprendizagem. São palavras que por si mesmas ganham vida, fazendo qualquer um refletir sobre si mesmo. Com um enredo fantástico, sobre temas que despertam automaticamente os mais curiosos, a autora consegue facilmente prender a atenção dos leitores. É uma obra desafiante e irrecusável, em que se conjugam sonhos e a vida real, assentes em metáforas e numa simbologia decifrada ao longo dos capítulos, baseada na interpretação dos sonhos e encontros inesperados da protagonista. O fim desta obra é fascinante, emocionante e reconfortante, capaz de nos tocar pessoalmente, com o mínimo esforço. Os objetos que possuímos, os sítios por onde passamos, as pessoas com quem nos encontramos ocasionalmente e até o cenário com o qual sonhamos, têm sempre um significado, dependente da personalidade, e da própria vida. Vera Sousa, em “A Última Carta que te deixei”, pretende mostrar aos leitores que tudo tem o seu significado, as dúvidas pessoais apenas nos são desvendadas ao longo do tempo, e o destino, esse, não está planeado. Desde o início ao fim, este livro fará dos leitores, certamente, melhores pessoas. Altamente recomendável. (06/12/2011) Sara Correia
  • Gostei muito do seu livro, recomendo a todos os meus colegas que gostam de ler um bom livro.Em cada linha do livro sentia-me perdido a sonhar e a pior parte era quando tinha de parar de ler. Beijinhos de um grande fã e continue. (22/11/2011) Rodrigo Alberto
  • Eu já li os dois livros que a Escritora Vera Sousa escreveu. São lindos, quando acabei de os ler, fiquei maravilhado com estas obras maravilhosas. Foi magnifico. Xavier
  • Olá Vera, o seu livro é lindo! Embora não goste muito de ler, o seu tem algo de especial. Fala-nos um pouco do sentido da vida, que tudo acontece por uma razão e não só por acaso, que no fim da história, faz tudo sentido.  Posso dizer, sem qualquer dúvida, que foi um dos melhores livros que já li! O tema do mar, por exemplo, fez-me sentir familiarizada com o assunto. Recomendo! Rita Alves
  • Vera, já li o seu livro e gostei muito. É uma história de vida, um romance e o inesperado. O que mostra que mesmo saindo da estrada com um rumo certo, e entrarmos num atalho que nos pode assustar porque nos sentimos perdidos, no fim dessa vereda pode estar a nossa felicidade , que muitas vezes a achamos perdida. Obrigada pelos bons momentos de leitura , e muitos parabéns!!!! Continue a deliciar-nos com a sua Obra. Fico à espera do “Onde o tempo nos levar” nova edição,e gostava de ter os seus livros autografados. Eu continuarei aqui para estar a par da sua Obra e dizer-lhe o que sinto quando leio. Sou muito sincera quando gosto e me toca profundamente, mas, quando não gosto , não gosto sem contudo ser desagradável e magiar o seu Autor, nesse caso abstenho-me. Fernanda
  • “A Última Carta que te Deixei” é um livro bastante interessante, diferente dos livros comuns. Tem muita criatividade e faz com que as pessoas se fixem a lê-lo sem ter vontade de parar. Posso dizer que é sem dúvida o melhor livro que já li em geral. É absolutamente recomendável a leitura deste livro! Diana Guerreiro.
  • Adorei o livro. É excelente. É de muito fácil leitura, uma escrita cuidada e o livro devora-se. Li o livro numa semana aos bocadinhos, mas é de devorar e fiquei com água na boca. Falta o próximo. Deu-me vontade de lhe telefonar para ver se já tinha o 3º livro pronto. Aguardo com muita vontade o próximo. Fátima Branco.
  •  Honestos PARABÉNS pelo livro, para além de um OBRIGADA pelos momentos deliciosos de fruição estética, e pelos sorrisos de prazer que me proporcionaram. O teu livro tem passagens perfeitas. Isabel Castilho
  • Acabei! Incrível: consegui rir, viajar e acabei com uma dor no estômago de tanto fazer força para não chorar. Adorei o livro! Magda Lucas
  •  Olá Vera.Parabéns por este magnifico livro que escreveste que sem dúvida é uma lição de vida e certamente muitas pessoas se imaginam no papel das personagens;encontros e desencontros,viagens …. olha, gostei muito de ler este livro e força para o próximo livro que cá esperarei para o ler. Pedro Sobral
  •  Desejo-lhe muito sucesso, sem dúvida que irá alcançar. O livro é fantabulástico. Bjinho Anamar Guerreiro

 

  •  Gostei muito! A história está muito bonita, de leitura acessível. Há livros que não se tiram conclusão nenhuma e este não é o caso. Tem imensas partes que motivam a pessoa a não parar de ler. Alice – Parede
  • Olá Vera, espero que esteja a “saborear” tanto o seu último livro como se tivesse sido o primeiro. Quero dizer-lhe que já acabei a leitura da Última Carta que te Deixei, ADOREI. Eu, que tenho hábitos de leitura, confesso que tenho dificuldade em encontrar autores que me “toquem” tanto como a Vera através dos seus dois livros. A carta que o Vicente deixou ao Daniel, é SUBLIME, e dando eu a importância que dou a cada palavra, repito, é SUBLIME.  Vejo-me e revejo-me em algumas das personagens  ali representadas, não são metáforas não, são realidades, ou então são surrealidades. Existem, mas de outra forma. Posso dizer que é fora do comum lermos um livro assim, porque está lá tudo: amor, paixão, traição,encontros, desencontros,memórias,anamneses, história e pesquisa. Uma obra sublime. Só para ler a carta que uma das personagens deixou a outra,vale a pena esquecer o resto do mundo e meditarmos o que andamos a fazer nesta efémera vida. Deixo uma sugestão: leiam este livro ao som do Pedro Barroso: “Menina dos Olhos de Água”, são ambos fabulosos. Realmente nada acontece por acaso.  É minha convicção,que,há-de vir o dia,em que a Vera se dedicará a tempo inteiro  e usando as suas palavras, à “criação em papel”.Há-de vir o dia que o tal “clik” se manifestará, e aí nessa altura, a literatura Portuguesa, ficará ainda mais rica. Professores e professoras há muitos, escritores e escritoras com talento, como é o seu caso, é que rareiam, e creia, embora como já lhe disse, não tenha formação académica, sei do que estou a falar.  A propósito de um 3º livro, eu como leitor, sinto já falta, da continuidade da relação com os/as personagens, é como alguém que entra na nossa vida, e que depois deixamos de ver assim sem mais nem menos, sei que é difícil de explicar e nem todos assim o entendem. Manuel B. Silva
 
  • Olá Vera. Acabei ontem de ler o teu novo livro. Como tinha outras leituras na calha, só ontem o terminei. Li-o em 4 h. Isto é sintomático para mim. Fiquei presa no verdadeiro sentido da palavra. Sinto que o teu primeiro livro foi um ensaio para este. Adoro a forma como usas as palavras, elas ganham vida própria e de repente parece que não há uma escritora por trás, pois as palavras e frases saem do livro e envolve-nos e parece que nos tocam fisicamente e não apenas psicologicamente. Sinceramente tinha gostado do primeiro livro, mas este, definitivamente, está fantástico. Fico à espera do próximo… Qual será o próximo destino ou destinos? Continua que és uma excelente escritora.Beijinhos grandes (11/08/2011) Helena Lopes
  • Gostei imenso do teu livro A Última Carta que te Deixei. Parabéns! Foi uma leitura viciante, do início ao fim. É uma história que se entra durante a leitura e um experimentar constante de diferentes sentimentos, sem esquecer as aprendizagens implícitas nas maravilhosas descrições. Recomendo a leitura e aguardo com expectativa o que ficou por explicar… Raquel Costa
  • Olá colega Vera! Gostei muito do livro. Não fui capaz de me ir deitar (2h20) sem antes terminar de ler o livro. Parabéns. Romeu
  • A vida é sempre um mistério e o ser humano o seu descobridor. Parabéns à autora pelo romance e pela maneira como cativa o leitor em cada página. Beijinhos e fico à espera do próximo. Ana Duarte
  • Olá Vera, ainda não tive oportunidade de ler o teu livro, mas a minha mãe já o leu e adorou. Quando terminou de o ler, ligou-me de propósito!!! Eu perguntei-lhe só se ela tinha gostado e ela estava entusiasmada de tal maneira com o livro que me contou todos os pormenores! Vera M.- Almada
  • Não tenho muito jeito para escrever comentários, mas só tenho a dizer que gostei muito de ler este livro, pela história em si, pela forma como está escrito. Muito interessante! Continuação de uma boa escrita! M. Filomena

 

  • Já li este livro durante as minhas férias. Gostei bastante deste livro, porque é interessante na medida em que descodifica muitas coisas acerca da vida, relacionadas, por exemplo, com o amor, com a amizade e tem uma componente cultural a partir da qual o leitor é levado a conhecer um pouco mais da História de Portugal. Aconselho vivamente a leitura deste livro! Sofia R.- Mafra
  • Olá, Vera Sousa, autora especialista, conhecedora, estudiosa. O livro A Última Carta que Te Deixei, é um testemunho de cultura cívica. Eis como se juntam a competência da autoria, a felicidade da escrita, o interesse do tema e o gesto cultural. A escrita é escorreita, agradável de acompanhar, a matéria é simultaneamente, simples, pode conviver ou convive no nosso conhecimento das coisas do quotidiano. Vera Sousa, que mais posso dizer do que louvar essa confluência e incentivar quem escreveu a não cessar o seu labor no futuro e, quem vai ler a não desperdiçar esta oportunidade para enriquecer os seus conhecimentos e alargar os seus horizontes. Que as luzes dos nossos Faróis iluminem a Felicidade. PARABÉNS VERA SOUSA – Armindo Silva– Esposende
  •  Este livro merece ser lido devido à actualidade do tema (amor, a luz, a esperança,…), à originalidade, à simbologia, às metáforas existentes, à subtileza na apresentação das personagens, à trama muito bem construída e idealizada, criando como que um holograma literário que nos catapulta para outras dimensões do sentir e do saber. De referir a profundidade das mensagens que são como que passaportes para viagens de auto-reflexão sobre o sentido da vida e o próprio encanto da história. Saliento também a excelente pesquisa e os temas abordados relacionados com a Psicologia, a Filosofia, a Religião, a História, o Acordo Ortográfico, a Geografia, a Geologia e, por fim, o tema dos Faróis de Portugal. Existe toda uma perspectiva pedagógica neste livro. Destaco a profundidade da vivência das personagens, o enredo e o final, a última carta que é por nós sentida e não só lida. Eu senti e revi todos os sentimentos descritos naquelas palavras. É de arrepiar a grande carga emocional. Por outro lado, este livro permite uma multiplicidade de leituras (pano de fundo para muitas viagens reais, imaginárias e reflexivas). Para além disso, elogio a profundidade versus a subtileza existente; o pano de fundo de reflexões sobre o “farol” que existe em nós e nos outros para orientar as nossas vidas e sermos orientadores e faróis dos outros; a importância das mensagens escritas/orais, da comunicação e das relações intra e interpessoais; as descrições muito bem feitas; o desenvolvimento da maturidade da personagem Hara em direcção ao conhecimento ( uma parte chegou até ela, a outra parte foi à procura, como por exemplo, a descodificação dos símbolos). Luísa Cristina Fernandes
  • A Vera está a mostrar-se uma escritora talentosa; começou a dar os seus passos no mundo literário e já se afirma com dois livros muito interessantes. À semelhança de “Onde o tempo nos levar”, o leitor fica agarrado à história da primeira à última página. É um romance vivo e envolvente. Um belo equilíbrio entre a escrita poética e realista. Parabéns! – Mª J. Cristóvão
  • Espero ir ao lançamento do próximo livro, porque de facto só lhe tenho a dizer que é uma pessoa cheia de talento. Já tinha referenciado que tinha gostado muito do primeiro livro, mas relativamente ao segundo, tenho a dizer que ADOREI, é sem dúvida um livro com muita imaginação. Obrigada pela leitura que me proporcionou.  Foi um prazer ter aulas consigo, e gostei de a conhecer, é uma pessoa muito rica por dentro e isso é bastante evidente nos livros que escreveu.  Mª do Céu Mendes
  • Deixe-me dar-lhe os parabéns em duplicado. Primeiro, pela referência do prof. Marcelo: fiquei feliz por si quando o ouvi referir-se à “jovem colega” e o vi mostrar a capa d’‘A Última Carta que te Deixei’. Depois, pelo livro em si, que já acabei de ler. Gostei do tema e do tratamento. Há ali muito trabalho de organização dos recursos estilísticos que resulta numa filigrana narrativa só aparentemente simples, sempre com a marca da espontaneidade. Apreciei sobretudo a pesquisa dos símbolos e o desenvolvimento polissémico que lhes confere, dos sonhos às pedras, passando pelos números, os elementos, os lugares – e o corolário de que nada acontece por acaso. – João Ferreira – autor de Histórias Rocambolescas da História de Portugal
  • Impressionante a dinâmica que a promissora autora imprime ao seu livro “A Ultima Carta que te Deixei“, pois nota-se claramente o elevado ritmo imposto à narração, motivando para o desejo acelerado e, simultaneamente entusiástico, que se apodera do leitor em devorar o livro, tal a riqueza do romance com curiosas incursões filosóficas, nomeadamente no dominio dos sonhos e de outros mistérios da vida. Elemento central do livro – O FAROL – , vaticino que orientará Vera Sousa para altos voos na nossa literatura. Parabéns Vera Sousa! – João Catalão
  • Eu já acabei de ler o seu novo livro “ A última carta que te deixei”e gostei muito,  e  digo-lhe que vou relê-lo nas férias, porque eu estava curiosa para chegar ao fim. Agora vou lê-lo com mais calma. Gostei imenso, para além de estar muito bem escrito, como não poderia deixar de ser, também achei que é muito profundo, aborda diversos assuntos e explicados ao pormenor, o que demonstra que tem uma cultura geral muito profunda. A história também está muito bem imaginada e introduz muito bem as personagens, mesmo  para quem não leu o 1º livro  “Onde o tempo nos levar” inteira-se da situação e da conclusão de etapas anteriores e tem um final feliz. Muitos parabéns e força! Já estou a contar com o próximo. Olides Marques – Cacém
  • Gostei muito de ler este livro e aconselho-o vivamente! Que as pessoas analisem com pormenor cada linha e se entusiasmem até ao fim, como foi o meu caso. Gracinda Santos
  • Parabéns! Gostei imenso da maneira como está escrito este livro e a forma como estão descritas as personagens. Estive entusiasmada até ao final do livro para ver como ficaria resolvido aquele amor entre as personagens. Gostei muito do final. Além disso, conheço parte dos sitios onde decorre a narrativa, como Portalegre e Marvão. Fiquei encantada com o livro e fui sublinhando frases que achei muito bonitas. Tenho vários livros e gostei deste especialmente. Vou começar a ler Onde o Tempo nos Levar, porque percebi que A Última Carta que te Deixei é a continuação desse livro. Parabéns mais uma vez pela sua escrita! Maria Conceição Catarino
  • Olá Vera, “Deus traçou o caminho de cada um de nós”.  Está provado que o teu é o de escritora. Parabéns por este lindo livro/romance, de leitura muito agradável e com grande sentido humano. Página após página, até ao final, faz-nos acreditar como é bom sonhar para assim podermos alcançar a felicidade. Continua assim. Beijinhos – Teresa Brás
  • Olá Vera Sousa, cheguei ao seu livro através do passatempo do jornal de Sintra, fui uma das contempladas. Agradeço desde já a dedicatória. Gostei muito do seu livro. Estou curiosa para ler o seu primeiro livro, quando puder vou comprar. Beijinhos – Maria Ferreira
  • Este livro é uma nascente de “palavras vivas” e uma fonte de aprendizagem. Há emoções muito bem expressas, através de palavras excelentemente seleccionadas que forma aquela frase que espelha o que muitas vezes sentimos e o que nos vai na alma. ” A vida é o volante que conduzimos para a direcção que pensamos ser a correcta na estrada que desejamos que esteja sempre alcatroada”. Adorei este livro. Que nos continues a deliciar com “palavras vivas”. – Maria de Lurdes Seixo
  • Quem ler este livro encontrará muitos motivos de interesse, não só por ser de leitura agradável, mas também pelo sentido humano exposto emm todas as páginas. São as passagens do destino, escritas neste livro, que nos cativam e nos obrigam a não deixá-lo de ler até ao fim. Rendo-lhe aqui a minha sincera homenagem pela maravilhosa obra, pelo seu magnífico talento e pelos ensinamentos que podemos extrair. Ao ler ”A Última Carta que te deixei”, fiquei com a agradável certeza de ter lido uma obra a todos os títulos de louvar, por tudo aquilo que podemos extrair daquelas magníficas páginas escritas e bem concebidas, dos muitos ensinamentos que podemos obter.Uma coisa que eu aprendi: o acaso ou coincidências não existem. (é claro que nem todos concordam comigo). O que acontece é caminharmos no trilho da vida que nos foi traçado, como nos encontros entre a Hara, o Vicente e o Daniel. E o encontro entre estes três personagens não é mais do que o destino marcou. São os encontros de três heróis. Hara é a heroína de ensinamento, a guia, a orientadora dos seus alunos preparando-os para a vida, a confidente e a última companhia do Vicente, a doce companheira de viagem do Daniel. O Daniel, herói por ser marinheiro e fazer a sua vida sobre as águas, e o Vicente, faroleiro abnegado, vivendo quase isolado do mundo para cumprir a nobre missão de orientar e salvar quem muitas vezes se sentia perdido. Era a luz da salvação, manipulada pelo valoroso, amigo e fiel que no seu posto solitário salvava a vida. Já li algumas dezenas de livros, milhares de páginas de grandes escritores, tais como Camilo Castelo Branco, Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Victor Hugo, Soeiro Pereira Gomes ou Ferreira de Castro. Agora que acabo de ler ”A Última Carta que te Deixei”, sei que este livro não é nada inferior às várias obras destes autores. Posso e devo dizer: a leitura deste livro torna-se mais fácil e mais entusiasmante do que outros que tenho lido. Por tudo isto, só tenho de apresentar os meus mais sinceros parabéns a quem é dotada de tão elevado talento para escrever tão bem.  – Mário Félix
  • Fui à apresentação do novo livro de Vera Sousa que decorreu na Biblioteca Municipal de Sintra .Vou a meio do livro e já me sinto um pouco “iluminado” por aquele farol. Mas, o que queria mesmo, para já ,é comentar como na minha modesta opinião,vivi a tarde de sábado dia 18 de junho. A Última Carta Que Te Deixei, e a autora foram os motivos pela lotação esgotada do auditório Virgilio Ferreira. O que mais me impressionou nas pessoas presentes, foi o carinho, foi o afecto, foi a dedicação e porque não dizer, o amor dirigido à autora. Na sua grande maioria a assistência era constituida por pessoas não intelectualizadas -seja lá o que isso for – mas eram autênticas, verdadeiras, irradiavam felicidade de verem a “sua menina ” no centro das atenções de ser ela o factor de mobilização de todas aquelas pessoas que se não conheciam entre si mas tinham como objectivo: receber um pouco de luz daquele farol que tinhamos na nossa presença. Um farol não tem que ser necessáriamente imponente para nos iluminar ,os nossos caminhos, as nossas orientações podem receber uma luz, uma pequena luz, que nos ilumine as veredas que trilhamos pela vida fora. Os livros da Vera, leva-nos ao encontro dessas “luzes”, por mais que tenhamos vivido se quisermos “ver” essas “luzes”, vemos. – Manuel Belo Silva